quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

FIQUE SABENDO: PROTETOR SOLAR

Protetor solar deve ser usado todos os dias

Avaliação do Usuário

 A exposição ao sol e, consequentemente, aos raios ultravioletas (UV) tem efeito cumulativo e penetra profundamente na pele, sendo capaz de provocar diversas alterações, como o bronzeamento e o surgimento de pintas, sardas, manchas e rugas e até provocar doenças graves, como o câncer de pele.
De acordo com especialistas, o protetor solar deve ser aplicado ainda em casa, e reaplicado ao longo do dia a cada 2 horas, se houver muita transpiração ou exposição solar prolongada. É necessário aplicar uma boa quantidade do produto, equivalente a uma colher de chá rasa para o rosto e três colheres de sopa para o corpo, uniformemente, de modo a não deixar nenhuma área desprotegida.
O filtro solar deve ser usado todos os dias, mesmo quando o tempo estiver frio ou nublado, pois a radiação UV atravessa as nuvens. Também é importante consultar um dermatologista regularmente para uma avaliação cuidadosa da pele, com a indicação do produto mais adequado.
 
Câncer de pele - Responsável pela maioria dos casos de tumor no Brasil, o câncer de pele é mais comum em pessoas com mais de 40 anos com pele clara, sendo relativamente raro em crianças e negros. Para prevenir tumores cutâneos, a recomendação é evitar a exposição solar entre 10 horas e 16 horas, período de maior incidência de radiação ultravioleta B, e fazer uso de protetor solar, fator mínimo 30. Roupas apropriadas, como uma camisa de manga comprida, calças e um chapéu de abas largas e óculos escuros, complementam as estratégias de proteção. "Temos uma situação privilegiada em relação ao câncer cutâneo: podemos impedir que a doença aconteça através das medidas de proteção solar", afirma médico dermatologista e coordenador da Campanha Nacional de Combate ao Câncer da Pele, Marcus Maia.


FIQUE SABENDO: VARIZES, SUAS CAUSAS.

O que causam as varizes?

Avaliação do Usuário
Crédito: HrianaQueimação, câimbra, inchaço, coceira e sensação de peso e fadiga nas pernas podem ser sinais de varizes. Cerca de 30% da população mundial têm varizes, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), sendo 70% mulheres e 30% homens. Varizes são veias dilatadas e tortuosas que se desenvolvem abaixo da pele. Dependendo da fase em que se encontram, podem ser de pequeno, médio ou de grande calibre. As veias mais acometidas são as dos pés, pernas e coxas.
Algumas pessoas apresentam minúsculas ramificações, de coloração avermelhada, que não costumam apresentar sintomas e provocam apenas desconforto estético em seus portadores. Em alguns casos, quando não tratadas de forma correta, as varizes podem progredir e desenvolver severas complicações, como inflamação da pele, dermatite, trombose, hemorragias e úlceras.
As varizes ocorrem devido ao mau funcionamento das válvulas. As veias podem perder a sua elasticidade e começar a apresentar dilatação, impedindo o fechamento das válvulas. O sangue desce do coração até as pernas e os pés através das artérias e retorna pelas veias, por meio das válvulas venosas que direcionam o sangue para cima. Com o fechamento ineficiente das válvulas, o sangue passa a percorrer o caminho inverso e fica parado dentro das veias, o que provoca mais dilatação e mais refluxo, ocasionando as varizes.

As varizes costumam aparecer a partir de 30 anos de idade e podem ir piorando com o passar dos anos. O principal fator de risco é a presença desta doença na família. A obesidade também é um fator determinante, devido ao aumento da pressão sobre as veias pelo sobrepeso. Tabagismo, gravidez e sedentarismo também contribuem para o surgimento de varizes por dificultarem a circulação de sangue. Pílulas anticoncepcionais e reposição hormonal, em especial a progesterona, também podem provocar a dilatação das veias.
Existem diferentes tipos de tratamentos para as varizes. O mais importante são as medidas preventivas, como praticar exercícios físicos de forma regular, alimentação saudável, não fumar e outras medidas. Quando não são suficientes, o médico poderá indicar um ou mais tratamentos combinados. Entre eles a terapia, cirurgia, laser e outros.
De acordo com os dados do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS), o Sistema Único de Saúde realizou entre janeiro de 2013 e outubro de 2014 mais de 50 mil procedimentos cirúrgicos de varizes unilaterais. No mesmo período foram realizados mais de 90 mil procedimentos de tratamento cirúrgico de varizes bilaterais. Ambos com a retirada de veias varicosas superficiais de membro inferior, associadas ou não a retirada de veia safena.


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

FIQUE SABENDO: VACINA CONTRA COQUELUCHE PARA GESTANTES





Postos de saúde oferecem vacina contra coqueluche para gestantes

10/11/2014 11:01:00

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) passa a oferecer nesta segunda-feira, 10 de novembro, nas mais de 200 salas de imunização nas unidades de Atenção Primária, a vacina dTpa acelular, voltada para gestantes. O imunizante – que estará disponível durante todo o ano – previne contra coqueluche, difteria e tétano e é indicado para mulheres entre a 27ª e a 36ª semana de gestação, podendo ser administrada até 20 dias antes da data provável do parto.

Com a introdução da dTpa no Calendário Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde, o objetivo é proteger as grávidas e seus bebês contra a coqueluche. Uma vez vacinada, a gestante passa a produzir anticorpos contra a doença, que são transferidos para o feto e protegem o recém-nascido nos primeiros meses de vida, até que se complete o esquema vacinal da criança. A meta da SMS é imunizar 86 mil gestantes em um ano.

O esquema recomendado é de uma dose da dTpa a cada gravidez. A gestante deve tomar ainda outras duas doses da vacina dT (dupla adulto), complementando a proteção contra difteria e tétano. Para as mulheres que já tiverem sido anteriormente vacinadas com as doses necessárias da dT, bastará tomar uma dose da nova vacina, para garantir imunização também contra a coqueluche.

Doença infecciosa aguda, a coqueluche tem alta transmissibilidade e é uma importante causa de mortalidade infantil. No Brasil, segundo registros do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), de 2007 a 2013 foram confirmados 17.532 casos de coqueluche, com 301 óbitos. Dos casos registrados, 64,5% foram em crianças com menos de 1 ano e 98% dos óbitos ocorreram nessa faixa etária.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Vacinação Animal (Rio Contra Raiva)



Campanha de vacinação contra raiva no CMS Drº Albert Sabin, que ocorreu neste sábado dia 13/12/2014, teve o apoio do morador que compareceu em massa para vacinar seu animal contra a raiva, a campanha teve inicio às 08:00 e foi até às 17:00.

Foram vacinados: 183 cães, 178 gatos.

    183 cães
+    178 gatos
                              361    total de animais






















                                                       



sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

FIQUE SABENDO: APLICAÇÃO DE INSULINA

Aplicação da insulina

Até pouco tempo atrás, o uso da insulina era associado a dor e desconforto. Mas isso mudou com a evolução e adaptação dos materiais e técnicas utilizadas. Hoje, aprendendo a técnica corretamente, é possível aplicar a insulina de forma rápida e relativamente indolor.

A) ESCOLHA DAS SERINGAS

As seringas mais utilizadas são aquelas com capacidade de 1ml, pois apresentam o fracionamento em unidades (medida como é prescrita pelo médico). Existem, também, seringas de 0,5 e 0,3ml.
Outra opção é um dispositivo em forma de caneta, com uma agulha descartável na ponta. Quando acionada, ela perfura a pele sem causar dor e libera a insulina. São muito utilizadas devido à facilidade de executar o procedimento e pela precisão de dosagem, regulada no momento da aplicação.

B) ESCOLHA DAS AGULHAS

Normalmente, as seringas já vêm com agulha. Mas é possível adquirir separadamente a seringa e a agulha, uma vez que existem agulhas de diferentes tamanhos e espessuras, adequadas a cada tipo de insulina e aplicação. Caso você faça a opção por comprar os produtos separadamente, peça ao seu médico para indicar a agulha mais apropriada.

C) LOCAIS E POSIÇÕES RECOMENDADOS PARA A APLICAÇÃO DA INSULINA

Locais recomendados:
A insulina deve ser aplicada no tecido subcutâneo, para absorção adequada. Os locais recomendados são aqueles afastados das articulações, dos nervos, dos grandes vasos sanguíneos e de fácil acesso para que o próprio paciente possa fazer a aplicação.
  • Braços: região posterior externa do braço, no espaço entre três dedos abaixo do ombro e três dedos acima do cotovelo.
  • Coxas: região frontal e lateral superior da coxa, no espaço entre três dedos abaixo da região inguinal (virilha) e três dedos acima do joelho.
  • Abdome: região abdominal, exceto no espaço entre três dedos à direita ou à esquerda do umbigo. Não é recomendado aplicar nem acima nem abaixo do umbigo por ser desconfortável.
  • Nádegas: região superior lateral externa do glúteo, tendo como referência a prega interglútea.
     
Vale lembrar que a absorção adequada da insulina depende do local da aplicação. Ela é absorvida mais rapidamente quando aplicada nas coxas, nádegas e abdome (nesta ordem). Nos braços a absorção é mais lenta. Mas é importante fazer rodízio dos locais de aplicação, para evitar problemas na pele.
  

PASSO A PASSO PARA APLICAÇÃO DA INSULINA

  • Lave bem as mãos com água e sabão.
  • Junte todo o material que será necessário: seringa com agulha, frasco de insulina, algodão e álcool.
  • Confira o prazo de validade da insulina. Se estiver vencida, descarte.
  • Confira o aspecto da insulina. Observe se muda de cor ou se apresenta partículas boiando.
  • Misture a insulina fazendo movimentos circulares e suaves com o vidro para que haja uma homogeneização do seu conteúdo (para quem faz uso de insulina lenta e NPH).
  • Limpe a tampa do frasco com algodão molhado no álcool e espere secar.
  • Aspire cuidadosamente o medicamento até a quantidade prescrita.
  • Se você notar bolhas de ar na seringa, dê pequenas batidas no local para eliminá-las. Empurre suavemente o êmbolo e aspire a quantidade de insulina que faltar.
  • Passe outro algodão molhado com álcool no local da aplicação. Aguarde secar ou passe no local um algodão seco.
  • Segure a seringa com a mão dominante (direita se você for destro, esquerda se for canhoto) como se fosse um lápis.
  • Com a outra mão, faça uma prega na pele na região onde foi feita a limpeza e introduza a agulha com um movimento firme e rápido. Atenção: a agulha deve estar em ângulo de 90º com a pele.  Se você utilizar dispositivo em forma de caneta para aplicação ou agulhas menores (5mm), não precisa fazer a prega cutânea.
  • Puxe delicadamente o êmbolo da seringa um pouco para fora. Desta forma, você testa se atingiu algum vaso sanguíneo. Caso tenha atingido, você verá sangue na seringa, e deve retirar a agulha e recomeçar o processo, escolhendo um novo local para aplicação.
  • Injete a insulina pressionando delicada e lentamente o êmbolo até o final.
  • Conte até dez.
  • Retire a agulha suavemente.
  • Pressione o local com o algodão por alguns segundos.
  • Não faça massagem no local após a aplicação, pois isso acelera o processo de absorção da insulina.

FIQUE SABENDO: REABILITAÇÃO


Serviços de Reabilitação
Os Serviços de Reabilitação funcionam segundo base territorial, e fornecem atenção especializada para pessoas com deficiência temporária ou permanente; progressiva, regressiva ou estável; intermitente e contínua; severa e em regime de tratamento intensivo. Os serviços devem articular-se com a Rede do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e com a Rede de Ensino da Região de Saúde a que pertença, para identificar crianças e adolescentes com deficiência e avaliar suas necessidades.
 
 

Principais Objetivos


• Indicar dispositivos assistivos criteriosamente escolhidos, bem adaptados e adequados, garantindo o uso seguro e eficiente;
• Melhorar a funcionalidade e promover a inclusão social das pessoas com deficiência;
• Realizar ações de apoio matricial na Atenção Básica, no âmbito da região de seus usuários;
• Oferecer atendimento às suas necessidades de maneira integral e integrada;
• Fazer diagnóstico clínico e funcional, e dispensação de órteses e próteses;
• Realizar o encaminhamento para especialidades de apoio;
• Capacitar as famílias através de oportunidades de participação, esclarecimentos e orientações, para que viabilizem as atividades cotidianas do paciente de forma significativa.
 
 

Como são feitos os encaminhamentos


• Pela unidade de Atenção Básica de Saúde, através do SISREG III com guia de referência e contra referência, com os campos devidamente preenchidos, informando: motivo da consulta; história resumida;  exames complementares realizados (raio X, tomografia, ressonância magnética, audiometrias e outros). 
 
• Mesmo após o encaminhamento para serviço especializado, o usuário deverá continuar sendo acompanhado, conjuntamente, pela Atenção Primária.
 
• Os pacientes deverão ser encaminhados para atendimento nas áreas programáticas mais próximas de sua residência.
 
 

Rede de Atendimento em Reabilitação no Município do Rio de Janeiro


A Coordenação de Atenção à Pessoa com Deficiência e Agravos Incapacitantes desenvolve ações integradas de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em unidades de saúde distribuídas nas dez áreas de planejamento da cidade, desenvolvendo autonomia e independência, favorecendo a locomoção e visando  a inclusão social da pessoa com deficiência. Além disso, há profissionais de reabilitação lotados em unidades hospitalares e maternidades, dando suporte a leitos clínicos, cirúrgicos e UTI.
 
Clique aqui para acessar a lista com as unidades municipais que fazem atendimento em reabilitação no Rio de Janeiro.
 
 
 

Atenção à Saúde Auditiva   


A atenção à pessoa com deficiência auditiva no Rio de Janeiro inicia-se com a detecção precoce nas maternidades, por meio da triagem auditiva neonatal (emissões otoacústicas). Este exame pode ser realizado também em unidades municipais de saúde da cidade. 
 
Para a realização de exames específicos para complementação diagnóstica de deficiência auditiva, o encaminhamento para os Serviços de Saúde Auditiva deverá ser feito pelas Unidades Básicas de Saúde pelo SISREG III. A complementação do diagnóstico é realizada nos Serviços de Média e Alta Complexidade em Saúde Auditiva, e também nos Centros Especializados de Reabilitação (CER). Os pacientes são convocados segundo critérios de prioridade (Resolução SMS nº 948 de 08/01/03).
 
 
Unidades que realizam avaliação auditiva, seleção, protetização, adaptação da prótese auditiva e acompanhamento com terapia fonoaudiológica para o deficiente auditivo, sempre que necessário:
 
• CMS Belizário Penna: Média Complexidade em Saúde Auditiva.
 CMS Waldyr Franco: Média Complexidade em Saúde Auditiva (em processo de transferência do serviço para a Policlínica Manoel Guilherme da Silveira, aguardando habilitação para CER III).
 CMR Oscar Clark/CIAD: Média Complexidade em Saúde Auditiva (em processo de habilitação para CER IV).
• Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (Fundão): Alta/Média Complexidade em Saúde Auditiva.
 Policlínica Newton Bethlem: em processo de habilitação para CER III.
 
 

Rede Municipal de Atenção em Saúde Auditiva


Para complementar a rede municipal, foram adequados recursos humanos e materiais em algumas unidades com serviços de menor complexidade, para que se tornem referência no acolhimento de pacientes com deficiência auditiva e terapia fonoaudiológica adequada. 
 
Exames Audiológicos: 
• PAM Antonio Ribeiro Neto
• CMS Manoel José Ferreira
• CMS Heitor Beltrão
• Policlínica José Paranhos Fontenelle
• CMS Madre Teresa de Calcutá
• Policlínica Lincoln de Freitas filho
 
Exames de Emissões Otoacústicas (Teste de Orelhinha/Triagem Auditiva):
• CMS Madre Teresa de Calcutá
• CMS Augusto Amaral Peixoto
• Policlínica Rodolpho Rocco
• CMS Manoel José Ferreira
• CMS Alberto Borgerth
• CMS Nascimento Gurgel
• CMS Clementino Fraga
• CMS Waldyr Franco
• CMS Belizário Penna
• Policlínica Lincoln de Freitas filho
 
Terapia fonoaudiológica para Deficiente Auditivo:
• CMS Ernesto Zeferino Tibau Júnior
• Policlínica Paranhos Fontenele
• Policlínica Antônio Ribeiro Neto
• CMS Manoel José Ferreira
• CMS Heitor Beltrão
• CMS Maria Augusta Estrela
• CMS Madre Teresa de Calcutá
• CMS Clementino Fraga Filho
• Policlínica Newton Bethlem
• CMS Masao Goto
• CMS Woodrow Pimentel Pantoja
• CMS Adelino Simões Nova Sepetiba
• Policlínica Lincoln de Freitas Filho
 
 
Coordenação de Atenção à Pessoa com Deficiência e Agravos Incapacitantes

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

FIQUE SABENDO: REDE CEGONHA

Rede Cegonha | Brasil apresenta queda nos índices de mortalidade infantil

Avaliação do Usuário
Crédito: Michelle D. MillimanCrédito: Michelle D. MillimanDe acordo com os dados das Tábuas Completas de Mortalidade divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de mortalidade infantil ficou em 15 bebês para cada mil nascidos vivos em 2013, considerando crianças de até 1 ano de idade. Em 2012, a proporção foi de 15,7 óbitos na mesma faixa etária para cada mil nascidos vivos. De 1990 a 2012, a taxa de mortalidade infantil no Brasil reduziu 70,5%.
Em 2011 o governo federal lançou a Rede Cegonha. O programa tem o objetivo de proporcionar saúde, qualidade de vida e bem estar às mulheres durante a gestação, parto, pós-parto e o desenvolvimento da criança até os dois primeiros anos de vida, além de reduzir a mortalidade materna e infantil e garantir os direitos sexuais e reprodutivos de mulheres, homens, jovens e adolescentes. A proposta qualifica os serviços ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no planejamento familiar, na confirmação da gravidez, no pré-natal, no parto e no puerpério, que são os 28 dias após o parto. Atualmente a Rede Cegonha desenvolve ações em 5.488 municípios, alcançando 2,6 milhões de gestantes.


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

CRCQ - Certificado de Reconhecimento de Controle de Qualidade

O CMS Dr. Albert sabin, encontra-se entre as 30 (trinta) Unidades de Saúde do Município do Rio de Janeiro que foram Certificadas nos seguintes Reconhecimento ao Cuidado de Qualidade:

  • UNIDADE PROMOTORA DA SOLIDARIEDADE E CULTURA DE PAZ
  • COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES

A entrega será no dia 18 de dezembro.




VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA - SÁBADO DIA 13


No próximo sábado dia 13 de dezembro, 121 unidades de saúde vão receber postos de vacinação para cães e gatos. As doses são para o combate à raiva, doença que está extinta há mais de 25 anos no Rio, mas que ainda oferece risco à população, pois, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a cidade conta com um número alto de morcegos, cachorros e gatos, principais transmissores do vírus.


A vacina é gratuita e será aplicada na porta dos Centros Municipais de Saúde, Clínicas da Família e Policlínicas selecionadas, além das unidades municipais de medicina veterinária e zoonoses. A estimativa deste ano é vacinar mais de 450 mil animais, mais do que em 2013, quando foram vacinados em torno de 431 mil. Os postos vão ficar abertos de 8h às 17h.



terça-feira, 9 de dezembro de 2014

FIQUE SABENDO: ATENDIMENTO AO IDOSO






Programa de Atenção Domiciliar ao Idoso – PADI

A Prefeitura do Rio lançou, em agosto de 2010, o Programa de Atenção Domiciliar ao Idoso (PADI), que oferece assistência em casa a pessoas com mais de 60 anos. O serviço é prestado prioritariamente a portadores de doenças que necessitem de cuidados contínuos e que possam ser feitos na residência. O PADI cuida de pessoas com doenças crônicas passíveis de recuperação funcional e com autonomia. Os principais benefícios são a aceleração da recuperação, a redução do tempo médio de internação hospitalar e a liberação dos leitos para outros pacientes.

As equipes são compostas por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, técnicos de enfermagem, assistentes sociais, nutricionistas, fonoaudiólogos, psicólogos e terapeutas ocupacionais. Participam do programa os hospitais municipais Miguel Couto, Salgado Filho, Paulino Werneck, Lourenço Jorge, Pedro II e Francisco da Silva Telles. 

sábado, 6 de dezembro de 2014

Campanha de Vacinação Animal (Rio sem Raiva)

 CMS Drº Albert Sabin



Campanha de vacinação contra raiva no CMS Drº Albert Sabin, que ocorreu neste sábado dia 06/12/2014, teve o apoio do morador que compareceu em massa para vacinar seu animal contra a raiva, a campanha teve inicio às 08:00 e foi até às 17:00. 
Foram vacinados: 832 cães, 571 gatos.

    832 cães
+  571 gatos
                     1403  total de animais

RAIVA

O QUE É A RAIVA?
A Raiva é uma doença contagiosa e letal, causada por um vírus que afeta tanto os animais quanto o homem.

COMO EVITAR A DOENÇA:
  • A vacina é a única maneira eficaz de se controlar a doença. A Raiva é uma doença incurável, portanto, é necessário um controle rigoroso da vacinação dos animais domésticos e do campo. Vacine seu animal nas campanhas de vacinação: a partir dos primeiros meses de idade, todos os cães e gatos devem receber a vacina. O reforço deve ser feito anualmente. A aplicação da vacina é gratuita, e você pode vacinar seu cão na Unidade Jorge Vaitsman, no Centro de Controle de Zoonoses ou em outros postos à qualquer época do ano.
  • Leve seu cão ou gato pelo menos uma vez por ano ao médico veterinário, e qualquer mudança repentina no comportamento do animal deve ser investigada.
  • Evite deixar seus animais soltos na rua, pois eles podem ser atacados por animais errantes. Não há tratamento para os animais. Portanto, se seu cão ou gato não estiverem vacinados e forem mordidos por animal portador do vírus da Raiva, eles poderão adoecer e morrer.

Preparação:








Vacinação:



























Movimento Durante a Campanha: